Arquivo de abril, 2010

Por que(,)amor?


Em 29 de abril de 2010 | por linhaseversos

Ao meu amor, Jorge Luis Porque sinto a verdade Porque a vejo abstrata Transbordando com suas lágrimas Lubrificando seus olhos Quando revelamos um ao outro Em ressacas de sóbrio amor Elas lavam resíduos do passado Regam tudo que há de mais nobre em nós Não se trata de ciência empirismo A tal dilatação das pupilas […]

Tags: , , , , ,
Arquivado em Linhas e Versos | Comentários (6)

Salve (,) Jorge!


Em 23 de abril de 2010 | por linhaseversos

Entre medalhas, orações, camisetas, palanques, festas e feijoadas, segue o batalhão, armado de fé, com seus dragões interiores adormecidos, em gavetas escondidos. Amarrados. De prontidão, canta a massa, firme na intenção de salvar Aquele em destaque. O Guerreiro que seguiu Jesus, sem renunciar um bom combate. O cavaleiro da Capadócia. O soldado das cruzadas, em […]

Tags: , , , , , ,
Arquivado em Entrelinhas, Reversos | Comentários (3)

/Ch/ove súplica sem parar


Em 22 de abril de 2010 | por linhaseversos

Enaltecendo letristas e intérpretes nordestinos Oh! Deus, perdoe o homem insensato Em súplica sob ou sem telhado Oh! Deus, será que o senhor se zangou E só por isso que o sol se retirou Fazendo cair toda chuva que há Só ela para desabar Desafiadora e demasiada Fazendo o homem desbotar-se Abaixar-se e enxergar Sua […]

Tags: , , , , ,
Arquivado em Entreversos, Linhas e Versos | Comentários (3)

O Menino Das Meias Listradas


Em 19 de abril de 2010 | por linhaseversos

(A meu filho amado, Marcelo Junior – meu começo, meu meio e meus fins.) Desde pequeno, tinha predileção pelos espaços intimistas, reservados. Os vértices da casa eram quase sempre uma boa opção. Usava-os a seu favor, talvez no encontro de arestas abstratas: o mundo externo e o seu eu interior. Um canto terno temperado com […]

Tags: , , , , , , , , ,
Arquivado em Entrelinhas, Linhas e Versos | Comentários (6)

Diante da língua adiante do dente


Em 17 de abril de 2010 | por linhaseversos

/d/: Consoante linguodental sonora; soa com obstrução, promovendo, entre língua e dentes, ora o choque ora a união. A língua, essa impetuosa, a nós serve e salva de repente. Sinuosa, feito serpente, flagra-se imprudente, desobediente, maledicente. Imersa em saliva, silencia reticente. Adormece abraçada ao alvéolo dentário – sua alcova, seu conivente. Recupera-se, hidrata-se. Desenrola-se em […]

Tags: , , , , , , ,
Arquivado em Linhas e Versos | Comentários (1)

Impressão final


Em 14 de abril de 2010 | por linhaseversos

O resultado do impresso em preços e apreços A arte de imprimir-se em lugares concretos e abstratos O desafio de impressionar (também) a si mesmo Impressão de quê? Temos em mente única e intransferível a impressão de uma busca constante, de uma vida itinerante mediante a uma pergunta desconcertante, uma resposta provocante, um mundo oscilante, […]

Tags: , , , ,
Arquivado em Entreversos, Linhas e Versos | Comentários (0)

Josu(É)


Em 13 de abril de 2010 | por linhaseversos

Josué era feliz como nem sabia Brincava de ser ele toda tarde todo dia. Subia em árvores de jabuticaba de goiaba de abricó Era danado de arisco como si só. No lugar dos pés e das mãos parecia possuir garras Em malabarismos e manobras seu corpo não tinha amarras. De cabeça para baixo via o […]

Tags: , , , , , , , , , ,
Arquivado em Entreversos, Linhas e Versos | Comentários (9)

LUNA (HaiKai)


Em 11 de abril de 2010 | por linhaseversos

Aos olhos de quem lê Sou luz sou bruma Sou lua nua (Juliana Izabeli Bulhões – Rio, 10 de março de 2010)

Tags: , , , , , , ,
Arquivado em Entreversos, Linhas e Versos | Comentários (11)

MaturAÇÃO


Em 11 de abril de 2010 | por linhaseversos

“Posso ouvir o vento passar, assistir à onda bater, mas o estrago que faz a vida é curta pra ver… Eu pensei.. Que quando eu morrer vou acordar para o tempo e para o tempo parar: Um século, um mês, três vidas e mais um passo pra trás? Por que será? … Vou pensar.” (…) […]

Tags: , , , , ,
Arquivado em Entreversos, Linhas e Versos | Comentários (2)

Drummond


Em 10 de abril de 2010 | por linhaseversos

Um poeta itabirano descansa em bronze Com suas retinas fatigadas Após rosas romperem o asfalto Após pedras no caminho.

Tags: , , , , , , , , ,
Arquivado em Entreversos, Reversos | Comentários (0)