Bordeau(x)


Em 16 de novembro de 2011 por linhaseversos

Mãos maci(lentas)
Na seda pura e preta
Um negrume de ideias fartas
Na epiderme derrama diluído
Um epicentro de emoções lúcidas
O esmalte cintila (ainda)
O desgaste do Bordeaux
Espaços reservados
Em tempos escorregadios
E o sorriso sustenta
Reticências da alma
Luz da essência
Que não se esgota
Que não se resvala
Esverdeja-se.

(Juliana Izabeli Bulhões – Rio de Janeiro, 27 de agosto de 2010)

Comentários (1) | |

Um comentário to “Bordeau(x)”

  1. rafaela Disse:

    adorei ‘emoções lúcidas’! [re-pousadas nos dedos]
    e os demais paradoxos.
    e as reticências anímicas – tão nossas…
    e a esperança reverberada.

    que LINDO, amora!

Deixe seu comentário