F(lux)o


Em 4 de outubro de 2010 por linhaseversos

“Ser essência muito mais
A porta aberta o porto a casa o caos e o cais”
(Fernando Anitelli)

Meus ares meus mares meus solos
Meus ciclones minhas ressacas
Meus terremotos minhas erupções
Meus vulcões de ferventes emoções
Meus deslizamentos de entusiasmos resfriados
Minhas rochas minhas pedras preciosas e brutas
Minhas cavernas minhas grutas
Minhas arquibancadas incas minha luta
Minhas estampas astecas em vestidos e arestas

Meu labirinto interior
Meu mosaico meu caleidoscópio
Em cores solares em sombras lunares
Em dias ímpares e pares

Minha zona de baixa e de alta pressão
Minha zona de convergência
Minhas divergências minhas turbulências
Minhas amadurecências

Minha alma minha amálgama
Minha mente reticente
Meu sono solene
Meu deserto minha enchente
Minha cegueira desistente
Minha lucidez persistente
Meu f(lux)o de pus e luz

Meu labirinto interior
Meu mosaico meu caleidoscópio
Em cores solares em sombras lunares
Em dias ímpares e pares

Minha cretinice minha crendice minha meninice
Minha face minha faceirice
Minha aréola minha áurea
Meu ouro minha prata
Meus papéis amarelados escritos e em branco
Meu silencioso pranto

Meu labirinto interior
Meu mosaico meu caleidoscópio
Em cores solares em sombras lunares
Em dias ímpares e pares

Me aprisionam
Me libertam
Me enigmatizam
Me traduzem
Me ocultam
Me declaram
Me condenam
Me absolvem
Me absorvem
Me sorvem
Me solvem
Me solidificam
Me solubilizam
Me extinguem
Me singularizam
Me unificam

Eu em pus
Eu em luz
Eu em f(lux)o

(Juliana Izabeli Bulhões – 07/07/09)

Comentários (1) | |

Um comentário to “F(lux)o”

  1. rafaela Disse:

    eu adoroo esse teu texto! já disse?!

    beijobeijo
    (L)

    *olha a hora em q eu chego: não consigo mais ir pro estágio! >_<
    [saudade mode on]

Deixe seu comentário