Genti(ll)


Em 23 de outubro de 2013 por linhaseversos

“Meu peito é uma porta que ninguém vai atender”

Tambor…
Mais amor, menos andor
O bumbo e o carnaval
Meu aval para a carneImage1ma
O carma e a marca
Que arde.
Arre!

O marco na alma
A multiplicidade de apelos
Não há ninguém a sentir.

Esmo pagamento em máculas
Esmagamento
Os dardos e um órgão imaginário
Rudemente
Desenhado
Em sol al(r)ado
Indivisível
Inefável.

Desenha escreve
Linhas paralelas
Ou em zigue-zague.

E vida…
(Papo de araque)
Desamarra a botina
Lança a dor no solo
Coturno.

Pés paralelos
Olhar no horizonte
Ser(vil).

(Juliana Izabeli Bulhões – Rio, 28 de agosto de 2013)

Comentários (0) | |

Deixe seu comentário