Sol(ares)


Em 12 de julho de 2010 por linhaseversos

O frescor da manhã
É inspirador.
Não impõe sonolência,sol de inverno
Apenas um ímpeto
De apreciação.
Desço a ladeira
Embalada pela gravidade
E pela brisa,
Que me é afável até.

Meu olhar está preso
Ao declive.
Os passos são vagarosos
E ao mesmo tempo firmes,
Livres, desimpedidos.
Os automóveis seguem
O curso diário.
E eu, meu (in)curso,
Meus minutos de solidão.

As chaves na ignição
São apenas
O não desligamento absoluto
Do estado das coisas
Que há e são.
As vozes e as notícias
Distanciam-se.
Vêm a mim em espaçosos
Pontilhados de espirais.
Logo se perdem.

Meu olhar vagueia sinuoso
Sem buscas.
Move-se
Despretensiosamente.
Passeia íntimo do sol.
Sem filtrar ultravioletas.
Circula em raios imensuráveis
Cá na terra.
É luz. Ares.
Não é refém de mais nada.

Na pausa do instante,
Lá estão elas:
As folhas da mangueira
A bailar.
As mais altas parecem
Tão próximas
Do voo, das asas, do céu.
Distantes de mim, porém.
Não há sombras
Para elas: sol e ares.

A cruz da igreja
Promove o desvio.
Meu olhar percorre
A parábola:
Outro horizonte.
Ela também está
Tão próxima
Do voo, das asas, do céu.
Ela não tem sombra.
Jaz íc(on)e (in)erte: é vida.

As copas,
Nuvens verdes em céu azul,
Parecem-me mais livres
Que os homens.
São flexíveis,
Entretanto de uma estranha
Serenidade austera.
Fazem comunicação
Direta e amistosa
Com o sol de inverno.

E as rosas:
Solitárias em sua beleza,
Afãs da fugacidade.
Reinam relativamente
Absolutas.
Fincados seus caules
na terra,
Preparam a queda
De alguma pétala
Graciosa ou desesperada.

O homem é infeliz,
Prepotente
Na sua dinâmica anêmica.
Precisa se preservar
E se isentar do
Que de fato não é seu
Domínio.
Precisa esconder-se
Do seu real estado natural,
Negado no parto e na part(ida).

Os sons logo se recuperam
Agudos e aguçados.
Minhas auriculares,
Receptivas para os ruídos
Dessa vida mundana.
E eu retorno no aclive
Para todos os outros
Ruídos que me arranham.
São sons
E só precisam de ares, não de sol.

(Juliana Izabeli Bulhões – Rio, 12 de julho de 2010)

Comentários (0) | |

Deixe seu comentário